Cronica e arte

Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Caixa Postal 43,  14870-970 Jaboticabal SP
Há 71 anos os EUA e demais exércitos aliados, invadiam o continente europeu na Normandia, nas praias de Omaha, Juno, Gold, Utah, Sword, a cerca de 230 km de Paris- França. O desembarque ocorreu no dia 6 de junho de 1944, as 6:30 da manhã   mas a só conquistaram Caen, ponto estratégico por causa de entroncamento rodoferroviário, no dia 10 de julho e os subúrbios da região só foram conquistados no dia 20 de julho, o avanço era lento e a luta violentíssima, no primeiro dia os aliados tinham avançado somente 8 quilômetros. Segundo dados do livro Montgomery eu seu livro de memorias, numa contabilidade de baixas que foi feita entre 22 de junho a 19 de julho, foram mortos 32461 soldados Estadunidenses e ingleses e 162972 feridos das duas nacionalidades. Esta batalha foi o marco na virada do jugo contra a Alemanha Nazista e contra o Eixo, de fato com esta invasão. Esta batalha foi o marco na virada do jugo contra a Alemanha Nazista e contra o Eixo, de fato com esta invasão, a Alemanha que até então com um exército preparadíssimo, aliada com a Itália fascista, e ao Japão (o Eixo) começa a desmoronar. Claro que um outro fator importante foi a derrota da Alemanha, na Rússia, onde 60% da aviação alemã foi perdida, mas mesmo com esta derrota o país de Hitler continuava firme na Europa ocidental e a invasão da Normandia foi então importante para esta reviravolta. Segundo Montgomery Eisenhower, Comandante Supremo das forças aliadas na Europa, (que depois foi o 34º presidente dos EUA), entendeu que o Exército Americano deveria atuar num front amplo contra os Nazistas, e não como estavam fazendo, de deixar parte do front para os ingleses (flanco oriental), enquanto atraia-se os alemães contra os americanos, para depois atacar à Direita. Eisenhower, entendia que assim os ingleses estavam sendo poupados de lutar e os americanos estavam com maior parte da responsabilidade e, quando esta notícia chegou aos ingleses, gerou certo atrito que permaneceu até o fim da guerra. A Batalha da Normandia terminou efetivamente segundo Montgomery, ocorreu em 19 de agosto de 1944
Bernard Montgomery Bernard Law Montgomery, 1º visconde Montgomery de Alamein (Londres, 17 de novembro de 1887 — Alton[desambiguação necessária], 24 de março de 1976) foi um oficial militar britânico durante a Segunda Guerra Mundial por vezes referido como "Monty". Frequentou o Royal Military College, em Sandhurst. Combateu na Primeira Guerra Mundial, onde alcançou o posto de tenente- coronel. Durante a Guerra Irlandesa de Independência (1919- 1921), Montgomery foi o oficial em comando do condado de Cork, Irlanda o maior condado da área. Este conflito foi notável pela sua ferocidade e pelas represálias levadas a efeito pelas forças da Coroa. Foi promovido a general em 1938. Em agosto de 1942, o primeiro ministro Winston Churchill apontou Montgomery como comandante do 8º Exército Britânico (ficando conhecido como Ratos do Deserto) na Campanha do Norte da África. Montgomery com sucesso fez recuar Erwin Rommel, obrigando-o a retirar-se do Egito após a Segunda Batalha de El Alamein. Sob o comando de Eisenhower, liderou a invasão de Sicília com sucesso em 1943. Após a Sicília, Montgomery continuou a comandar o 8º Exército durante os desembarques de Itália. Pouco tempo depois, foi chamado ao Reino Unido para fazer parte do plano da Operação Overlord, a invasão da Normandia. Antes da invasão da Normandia, Montgomery assumiu o comando do 21º Grupo do Exército Britânico, e comandou a formação pelo resto da guerra na Europa. Durante a invasão do Dia D, e por vários meses após a invasão, Montgomery comandou todas as forças terrestres aliadas: britânicas, canadenses e americanas. No setor norte do seu comando, as tropas Britânicas ficaram imóveis na parte de fora da cidade francesa de Caen. O plano original de Montgomery iria capturar Caen em poucos dias após a invasão, mas na realidade demorou várias semanas para capturar a vila crucial. Intencionalmente ou não, a sua persistência fez com que a divisão armada alemã protegesse Caen, deixando o 3º Exército Americano, do General Patton, entrar pelo oeste e depois norte, capturando várias forças alemãs que recuavam no bolsão de Falaise. Em geral, o seu desempenho durante os desembarques da Normandia foi criticado por muitas pessoas, que consideravam os planos muito rígidos e sem imaginação. O alto comando da Wehrmacht alemã, viu-o como uma ameaça não muito perigosa como comandante, que o George Patton, considerando-o com muitos hábitos e com muitas precauções. Foi muito mais bem sucedido no ataque bem planejado em El Alamein. Os defensores de Montgomery afirmaram que a sua precaução era pelo fato dele comandar na maior parte das vezes, forças britânicas e canadenses, e que estava ciente que estas forças eram limitas em número, e não era fácil trocá-las. Ele não poderia correr o risco de sacrificá-las desnecessariamente. Situação diferente era a dos comandantes americanos, Bradley e Patton, que podiam contar com recursos e homens ilimitados dos Estados Unidos. Eisenhower ficou com o comando das forças terrestres, enquanto continuava como Comandante Supremo. Montgomery ressentiu-se com esta mudança, mesmo tendo concordado antes da invasão do Dia-D. Winston Churchill promoveu Montgomery a Marechal como forma de compensação. A 7 de Janeiro, 1945 Montgomery deu uma conferência de imprensa na qual aclamou crédito pela vitória Aliada na batalha do Bulge. Isto causou alguma controvérsia, e ressentimentos dos americanos que sentiram que Montgomery manteve para trás as suas forças durante muito tempo. Foi instituído como o 1º Visconde Montgomery de Alamein e chefe supremo do comando imperial inglês em 1946. Sendo também comandante supremo adjunto das forças militares da OTAN de 1951 a 1958. Morreu em 1976, sendo enterrado no cemitério Holy Cross, Binstead, Hampshire.1
Dwight D. Eisenhower Dwight David "Ike" Eisenhower (Denison, Texas, 14 de outubro de 1890 Washington, 28 de março de 1969) foi o 34º Presidente dos Estados Unidos de 1953 até 1961. Antes disso, ele foi um general de cinco estrelas do Exército Americano. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele serviu como o Comandante Supremo das Forças Aliadas na Europa. Ele assumiu a responsabilidade de comandar e supervisionar a invasão do Norte da África durante a Operação Tocha entre 1942 e 1943. Logo depois ele assumiu o planejamento da invasão da França e da Alemanha entre 1944 e 1945, no Fronte Ocidental. Em 1951, ele se tornou o primeiro comandante supremo da OTAN.1 Ele também foi Chefe do Estado-Maior do Presidênte Harry S. Truman, antes de assumir a presidência da Universidade Columbia.2 Eisenhower entrou na corrida presidêncial como candidato republicano em 1952 e prometeu uma cruzada contra "comunismo, Coreia e corrupção." Ele derrotou o Adlai Stevenson encerrando duas décadas de governos democratas. No primeiro ano como presidente, Eisenhower depôs o líder do Irã num golpe de estado, e ameaçou usar de força nuclear contra a China para encerrar a Guerra da Coreia. No carater militar, ele focou sua atenção em expandir o arsenal atômico americano e não aumentou os fundos para as outras vertentes das Forças Armadas. O objetivo era manter a pressão sobre a União Soviética e para reduzir o déficit do governo. Quando os soviéticos lançaram o satélite Sputnik 1 em 1957, ele teve que tentar correr atrás na corrida espacial. Eisenhower forçou Israel, o Reino Unido e a França para encerrar sua invasão ao Egito durante a Guerra do Suez de 1956. Em 1958, ele enviou 15 mil soldados americanos para o Líbano para impedir que o governo pró-ocidente daquele país caisse em mãos de revolucionários aliados a Nasser. No fim do seu mandato, seus esforços de ir para mesa de negociações com os Soviéticos caiu por terra por causa do incidente com um avião U2 em 1960 quando um avião espião americano foi derrubado sobre a Rússia e o piloto foi capturado vivo.3 No plano doméstico, ele ajudou a remover Joseph McCarthy do poder mas deixou boa parte das questões políticas para o Vice-presidente Richard Nixon. Ele era considerado um político conservador que continuou com o "New Deal", expandiu os seguros sociais e lançou o chamado "Interstate Highway System". Ele mandou tropas federais para Little Rock, Arkansas, pela primeira vez desde a Reconstrução, para fazer valer as decisões da Suprema Corte sobre dessegregação racial em escolas públicas e acabou por assinar leis de direitos civil em 1957 e em 1960. Ele também implementou a dessegregação racial nas Forças Armadas e apontou cinco nomes para a Corte Suprema. Os dois mandatos de Eisenhower como presidentes viram tempos de prosperidade econômica exceto por um período de recessão que durou entre 1958 e 1959. Embora ele tenha deixado o cargo em 1961 com índices de popularidade baixo, sua reputação póstuma aumentou, assim como também foi notada uma melhora na visão dos historiadores de sua presidência. Eisenhower é muitas vezes lembrado como um dos melhores presidentes que o país já teve. Faleceu em 28 de março de 1969. Encontra-se sepultado no Eisenhower Center, Abilene, Condado de Dickison, Kansas nos Estados Unidos.
A batalha da Normandia O Dia D