Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Caixa Postal 43,  14870-970 Jaboticabal SP
Abdicação de Dom Pedro I Por Tiago Ferreira da Silva Após a Declaração da Independência, em 1822, esperava-se que D. Pedro I tivesse um reinado no Brasil cada vez mais distanciado dos interesses de Portugal. Todavia, no fundo tudo continuava do mesmo jeito de antes: os negros continuariam na condição de escravos e as elites agrárias ainda eram favorecidas pelo governo monarquista. D. Pedro I arriscou várias tentativas de, pelo menos, mostrar que estava fazendo serviço a favor da independência do Brasil. Mas fracassou ao criar a Assembleia Constituinte em 1823 e não obedeceu à risca os termos da Constituição de 1824, que exigia um governo liberal do império; durante seu mandato, o governo sempre fora autoritário. Neste momento, Portugal vivia uma crise financeira estarrecedora, graças às fraquezas administrativas do reinado de D. Miguel. A imprensa argumentava que D. Pedro estava preocupado com o antigo país colonizador e cogitava assumir o trono por lá também. Para os brasileiros, esse ato era impensável pois, se o imperador estava comprometido com a independência do país, tinha o dever de deixar Portugal de lado. Os rumores da sucessão do trono em Portugal ganharam amplitude quando o jornalista oposicionista, Líbero Badaró, foi assassinado em 1830. Sua morte foi atribuída ao regime autoritário de D. Pedro I, o que causou mais desgaste na população brasileira acerca de seu mandato. Revoltados com a decepcionante condução política do imperador, os opositores do Rio de Janeiro se organizam e travam uma violenta batalha contra os portugueses, em março de 1831, no episódio que ficou conhecido como Noite das Garrafadas. A aversão à D. Pedro I se intensifica ainda mais, com opositores desafiando as leis políticas implantadas por ele e o aumento dos tumultos de moradores contrários ao regime nas ruas. Esses atos enfraquecem o alicerce político do imperador, que foi perdendo apoio dos ministros e pressionado a sair do cargo. No dia 7 de abril de 1831, D. Pedro abdica do cargo de imperador, retorna à Europa e deixa o trono para seu filho Pedro, de 5 anos.
CARTA DA ABDICAÇÃO
CRONOGRAMA DO PODER POLITICO NO IMPÉRIO DE D  PEDRO I
HINO NACIONAL BRASILEIRO O Hino Nacional é baseado no hino de 7 de abril, hino composto para lembrar aos brasileiros que o pais se via livre de D Pedro I e agora teria um monarca nascido em terra brasileira D Pedro II.O Hino Nacional foi oficializado pela lei n.º 5.700, de 1 de setembro de 1971, publicada no Diário Oficial (suplemento) de 2 de setembro de 1971. A historia dele nos mostra como, ao contrario do que muitos pensam, o hino não foi uma imposição artificial.O hino da abdicação tinha se tornado popular e conhecido. Com a proclamação da republica um concurso foi feito e ganhou a composição de Leopoldo Miguez, mas devido as reações contrarias, não foi adotado, tornando-se o hino da proclamação da republicaEm 1906 novo concurso é realizado e desta vez ganha o poema que vence é o do Joaquim Osório Duque Estrada, e a musica permaneceu a de Francisco Manuel da Silva, do antigo hino de 7 de abril (Clique e leia a letra do Hino de 7 de abril). HINO da ABDICAÇÃO ou HINO 7 DE ABRIL ( 1831)Hino Nacional Brasileiro. Música de Francisco Manuelda Silva e letra de Ovídio Saraiva de Carvalho e Silva.Adotado em 1890 como Hino Nacional Brasileiro.  
LIBERO BADARÓ
HINO da ABDICAÇÃO ou HINO 7 DE ABRIL ( 1831) Hino Nacional Brasileiro. Música de Francisco Manuel da Silva e letra de Ovídio Saraiva de Carvalho e Silva. Adotado em 1890 como Hino Nacional Brasileiro. Amanheceu finalmente A liberdade ao Brasil Não, não vai à sepultura O dia Sete D'Abril Da Pátria o grito Eis se desata Do Amazonas Até ao Prata Sete de Abril, sempre ufano Dos dias seja o primeiro Chame-se Rio D'Abril O que é Rio de Janeiro
Da Pátria o grito Eis se desata Do Amazonas Até ao Prata Nos prometem venturoso O porvir mais lisonjeiro. Da Pátria o grito Eis se desata Do Amazonas Até ao Prata A quarta parte do mundo Deu às três melhor lição Da Pátria o grito Eis se desata Do Amazonas Até ao Prata Ferve amor da liberdade Até nas damas gentis. Da Pátria o grito Eis se desata Do Amazonas Até ao Prata Seja sempre a nossa glória O dia libertador Da Pátria o grito Eis se desata Do Amazonas Até ao Prata