Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João, 869,  14882-010, Bairro Aparecida Jaboticabal SP
MENINA DE 8 ANOS É ESTUPRADA EM IBITINGA E MORRE Mentore Conti Mtb 0080415 SP com informações:  a Cidade ON Araraquara // fotos: Crônica e Arte Jaboticabal, 5 de março de 2018 A menina de 8 anos que foi encontrada espancada e com sinais de estubro em Ibitinga morreu na manhã desta segunda- feira, dia 5, depois de ser internada em Araraquara. Segundo as primeiras informações Giovana Maria de Oliveira Ribeiro, de 8 anos, foi encontrada espancada e estuprada em uma casa em construção no bairro Santo Expedito em Ibitinga. Quando a polícia militar chegou ao local dos fatos a criança já tinha sido socorrida. A mãe da menina Cláudia Maria Gregório de Oliveira, que é costureira, de acordo com as primeiras informações, estava em casa, quando foi avisada por um pintor, de 40 anos, que a filha tinha sido atropelada. Rapidamente ela foi até o local e encontrou Giovana caída e desacordada, mas ao contrário do que disseram no telefonema, ela não estava na rua e sim uma casa em construção. Uma testemunha, de 43 anos, disse à polícia que estava na esquina e foi avisado também pelo pintor, sobre a tragédia. A menina estava com a cabeça sangrando e despida da roupa que usava.  Imediatamente levada a UPA de Ibitinga, foi transferida para a cidade de Araraquara e segundo nota do hospital, depois de todos os procedimentos possíveis que foram realizados, a vítima não resistiu e faleceu. O corpo será levado ao IML. O pintor que avisou a mãe sobre o caso, foi até a polícia e prestou depoimento ao delegado Vinicius Murijo Melatto de Ibitinga. Ele disse que estava na Vila Simão um jogo recebi um telefonema da filha para ir até a igreja. No meio do caminho, segundo o pintor ele parou na casa de construção para ver se a filha estava brincando ali, e viu um homem correndo sair do local e quando entrou viu Giovana ferida e abusada sexualmente. O pintor negou o crime e entregou aos policiais as roupas que usou no dia. Durante o registro, como sempre acontece uma aglomeração de pessoas. Se formou em frente à delegacia e todos, se diziam revoltados com o caso. Na confusão uma das vidraças foi quebrada por uma pedra  O pintor foi ouvido e liberado.