Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João, 869 14882- 010 Jaboticabal SP
1932: A REVOLUÇÃO DE SÃO PAULO
A Guerra dos Paulistas (Documentário) Apresentação Mentore Conti Em 9 de julho de 1932 eclodia em São Paulo a revolução Constitucionalista que mobilizou cerca de 35 mil combatentes entre civis e militares, com o objetivo de exigir do Governo Getúlio Vargas a promulgação de uma Constituição Federal Getúlio liderou a revolução de 1930, derrubando as oligarquias de coronéis que dominaram a política até então, mas seu governo provisório parecia não ter fim. Assim num contexto onde no Estado de São Paulo os Tenentes da revolução de 30, criaram um governo socializante e onde os paulistas se sentiam inferiorizados no jogo político da federação, vem a guerra que dura de 9 de julho a 4 de outubro de 1932   veja os detalhes deste conflito no vídeo documentario “A Guerra dos Paulistas” , um trabalho da TV Cultura e Assembléia Legislativa do Estado de SP e Buriti Filmes, que vemos abaixo:
marcha Paris-Belfort hino não oficial da Revolução:
FICHA TÉCNICA DO DOCUMENTARIO Direção: Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi Roteiro: Luiz Bolognesi ​Produção: Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi Produção Executiva: Mário Borgneth e Beto Tibiriçá Coordenação de Produção: Luís Oliveira e Lina Murano Direção de Fotografia: Mauro Martins Montagem: Rodrigo Menecucci Arte: Ricardo Carelli Pesquisa: Marcelo Aith Assistente de Direção: Ariene Leite Direção de Arte: Déia Brito Figurinos Ficção: Carolina Lee Trilha Sonora: Marcelo Kubagawa e Mário Lima Arte e Finalização: Dínamo Filmes Elenco: Caco Ciocler, Thiago de Brito e Zedu Neves Locução: Jiddu Pinheiro   Realização: TV Cultura e Assembléia Legislativa do Estado de SP Produção: Buriti Filmes Distribuição: TV Cultura Duração: 55 minutos Ano – 2002
O MMDC Mentore Conti Um estopim  para a revolução de 32, foi a ocorrência das mortes de 4 estudantes, após o levante de 23 de maio. Nesta data no contexto de várias manifestações um grupo tentou invadir a Liga Revolucionária, uma célula da Revolução de 1930, organização favorável ao regime de Getúlio Vargas situada nas proximidades da praça da República. Os governistas da Liga resistiram com armas e quatro invasores acabaram mortos, eram eles: Mário Martins de Almeida, Euclides Miragaia, Dráusio Marcondes de Sousa e Antônio Camargo de Andrade. Um quinto estudante, Orlando de Oliveira Alvarenga ferido na ocasião, morre em Agosto e por isto alguns historiadores falam em M.M.D.C.A.  e não  M.M.D.C.
ALGUNS ASPECTOS QUE DERAM ORIGEM À REVOLUÇÃO PAULISTA DE 1932 por Mentore Conti  Mtb 0080415 SP foto internet Dominio Público Jaboticabal 8 de julho de 2018 Corria o ano de 1932 era Nove de Julho quando eclode uma revolução em São Paulo contra um  governo que dois anos antes tirara do poder a velha Política Café com Leite. A política Café com Leite era a política pela qual políticos de São Paulo em Minas Gerais se revezavam no poder desde Prudente de Morais quando acabou o ciclo da política das espadas na República, ou seja, o governo militar do Marechal Deodoro e  depois Floriano Peixoto. As transformações sociais da década de 20 criaram todo um  movimento de mudanças em várias partes do mundo e no Brasil gerou o que historicamente chamamos de tenentismo.  O movimento de um grupo de oficiais do exército em sua maioria tenentes, que pregava mudanças sociais e políticas e acabou provocando várias revoluções no Brasil A revolta dos 18 do Forte, a revolução Paulista de 1924 e em 1929 o grupo tenentista acaba se levantando contra a política dos coronéis (fazendeiros e proprietários de terra) que dominavam a política no período que dissemos acima. Juarez Távora, Lindolfo Collor de Mello dentre outros tenentes e militares fizeram um levante em vários pontos do país, entre eles Sul e Sudeste e forçaram o candidato que tinha vencido as eleições, Júlio Prestes  em 1929 a  não assumir o poder e depuseram Washington Luís meses antes de terminar seu mandato. Com a Vitória tenentista a junta governativa acaba entregando o poder para Getúlio Vargas mas este fato desagrada a parte do movimento que tinha feito a revolução entre eles o General klynger. Getúlio Vargas em São Paulo, um dos berços da revolução tenentista também, ao invés de  colocar Francisco Morato como Governador do Estado, como queriam os paulistas que o apoiavam, prefere colocar um componente do movimento tenentista, o Tenente pernambucano João Alberto. Isto desagrada aos paulistas e este é um dos pontos que vai fazer eclodir a revolução de 32. Um outro ponto que  gera a revolução de 32 é a falta de uma nova constituição, prometida pelo governo que assumirá o governo em 1930. Como pano de fundo também nós vamos ver alguns  personagens que têm uma tendência separatista e que apoiam a revolução de 32 como por exemplo Alfredo Ellis Júnior e Monteiro Lobato. Portanto o separatismo não era um objetivo primordial mas era um objetivo em segundo plano que existia na Revolução.  Se nós seguirmos a linha de Leon tolstoi quando escreve Guerra e Paz nós podemos falar que todos esses fatores acabaram se somando para gerar a revolução.  Juarez Távora tenentista da época é integrante do Clube 3 de outubro como nos relata o historiador Hélio Silva dizia que a questão Constitucionalista era apenas um motivo aparente no movimento de São Paulo e que na realidade a ideia primordial dos paulistas era recolocar no poder os políticos que a Revolução de 30 tinha tirado de cena.  Um outro ponto interessante que devemos lembrar é que alguns militares que apoiavam o movimento Paulista em  1932, estavam descontentes com a junta governativa e o Getúlio Vargas. Isso aconteceu quando Klinger, que apoiava a revolução Paulista, na época da revolução de 30 levantou a ideia de que não se poderia substituir os tenentes pelo  candidato derrotado nas urnas em 1929, substituição essa pura e simples, sem que os tenentes não mais participassem do governo e deixassem de transformar o país, como parecia então. isso causou um mal-estar e fez com que o Gen. klynger se afastasse do movimento. a participação de antigos partidários do tenentismo na revolução paulista, indica que o objetivo da revolução ia além da constituição, derrubar Getúlio, e uma ditadura que se anunciava. O clube 3 de outubro que foi criado para defender os ideais da Revolução de 30 e queria uma mudança geral da política até então e qualquer movimento aparecesse um retorno ao antigo regime devia ser combatido.  Ao analisarmos estes fatos do ambiente político de então e o jogo de interesses  de grupos que participaram do movimento de 32 é que vamos entender como toda a história narrada no documentário (acima à direita )  se desenvolveu.  é interessante notarmos como naquela época o que hoje nós chamamos de fake News era utilizado. além do rádio e dos jornais e de um cinema que começava a despontar, não havia outros meios de comunicação, mas principalmente os jornais foram utilizados para divulgar notícias que interessavam a cada grupo que lutava na guerra.   Os paulistas divulgavam as vitórias, muitas vezes inexistentes que tinha e Getúlio Vargas divulgou notícias mentirosas para assustar o restante da população brasileira demonstrar que São Paulo queria destruir a unidade do Brasil. Bibliografia Helio Silva in “1930 a Revolução Traída e A Revolução Paulista // Edgard Carone in Tenentismo