Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João, 869 14882- 010 Jaboticabal SP
O DIA EM QUE A ALEMANHA NAZISTA SE RENDEU INCONDICIONALMENTE EM 1945 Mentore Conti Mtb 0080415 SP com dados // foto internet Jaboticabal, 8 de maio de 2018 Em 8 de maio de 1945, o alto comando da Wehrmacht, as Forças Armadas da Alemanha de Hitler, assina, em Berlim, a rendição incondicional do Terceiro Reich. Era o fim da 2ª Guerra Mundial na Europa depois de sangrentos cinco anos e meio. Era o fim de uma guerra que tinha se iniciado em setembro de 1939 por megalomania de Adolf Hitler e pela omissão e cumplicidade de muitas nações que depois foram invadidas por ele e que a partir daí, com atraso de 6 anos o combateram.   Em 1933, Hitler toma o poder pelo Partido Nacional Socialista Dos Trabalhadores Alemães e com a política de reconstrução da Alemanha, ergue o país criando o que ele chamava de Terceiro Reich. Em 1939, quando depois de assinar um tratado com a Rússia de empréstimo de dinheiro equivalente a 500 milhões de Marcos alemães com a União Soviética, a Alemanha invade a Polônia.  Somente neste ponto França e Inglaterra viram que Hitler não ia parar.  Antes, França, Estados Unidos e outros países, tinham alianças comerciais com Alemanha, que a partir de 1934 tinha se tornando uma nação próspera. Os negócios entre Estados Unidos e Alemanha eram tão firmes que quando Charlie Chaplin no filme O Grande ditador faz uma crítica violenta a Hitler, ele é censurado pelo governo estadunidense.  A França Neste período exportava gás para uso militar para Alemanha, exportação essa que foi até 1938. Coincidência ou não os campos de concentração temos iniciado por volta de 1934.  A Itália que tinha feito um acordo comercial com Alemanha já em meados de 1935, firma o acordo militar em 22 de Maio 1939 com Alemanha de Hitler 4 meses antes do início da Guerra.  Antes disso as nações europeias França Inglaterra e Itália e Alemanha tinham assinado em 33 um pacto de intenções e colaboração para se fortalecerem contra a União Soviética. Nos anos 30 também os modelos de governo italiano e Alemão são adaptados em vários países como Portugal Espanha e Grécia Argentina e Brasil.  Assim grande parte do Sucesso que Hitler teve durante a guerra ocorreu porque antes dela, ele tinha o apoio de várias nações que o combateram depois. Mesmo durante a guerra as relações comerciais de algumas empresas estadunidenses continuaram existindo com a Alemanha de Hitler, como no caso da Coca-Cola que fabricou a Fanta para vender na Alemanha nazista durante a guerra e a IBM contabilizava o número de prisioneiros nos campos nazistas.  Antes da guerra Mussolini era chamado de gênio político até mesmo por Winston Churchill, que foi amigo de Mussolini e colaborador do jornal de Mussolini, il popolo D'Itália. Havia um acordo entre Estados Unidos e a Itália de Mussolini que se a guerra terminasse de uma maneira diferente, eram os Estados Unidos que explorariam o petróleo italiano na Líbia. Estranhamente quando Mussolini é preso e fuzilado em Dongo, uma pasta com documentos comprometedores aos aliados desaparece e hoje se sabe que Winston Churchill, esteve no local naquela semana da morte de Mussolini e pegou referida pasta e que somente agora alguns documentos dela estão sendo revelados.  Antes da guerra a aceitação da ideologia nazista e da ideologia fascista era tão grande que mesmo no Brasil esses partidos tinham algumas sedes. Em Sertãozinho havia uma sede do partido fascista, como eu cheguei a ver por uma carteirinha de um imigrante italiano  filiado ao partido.  Em Jaboticabal antiga sede da Prefeitura que fica no cruzamento da Rua 24 de Maio com a Rua Treze de Maio, o atual Sesc, foi a sede da instituição fascista dopo Lavoro e em Ponta Grossa existem notícias de uma sede do Partido Nazista.  Estas referências são colocadas nesse texto não para condenar o mundo por causa da Segunda Guerra Mundial, mas para explicar um dos motivos pelo qual Hitler chegou tão longe, ou seja, pela omissão e conivência de muitos governantes não só na Europa como de outras partes do mundo.  Foi esta conivência que propiciou a Hitler armar-se com um dos melhores exércitos que tinha na época e se preparar durante vários anos para a guerra. Sem dúvida nenhuma a derrocada de Hitler começa em 1942 com invasão da Alemanha em cima da Rússia. A II Guerra tem jogadas políticas e militares excepcionais.  Uma delas é a de Pio XII Papa que organizou e comandou a operação valquíria para assassinar Hitler com uma bomba e que durante o seu pontificado não hesitou em esconder inimigos da Alemanha, prisioneiros fugitivos, ou na guarda pessoal dele, Papa, ou enviando estes prisioneiros fugitivos para América Latina através de uma rede secreta nos Conventos e igrejas da Europa, que recolhiam, estas pessoas, as escondiam e quando possível eram mandadas embora da Europa, onde estariam Seguros. Com o  armistício assinado no dia 8 depois de pesados bombardeios na Alemanha por parte dos norte-americanos, chamados bombardeios a tapete, aqueles bombardeios com bombas convencionais que deixam os quarteirões arrasados, acabava na Europa e no mundo 6 anos ou 5 anos e meio de uma guerra que deixou milhões de mortos.  A guerra foi chamada Mundial Por que os Estados Unidos se aliaram com países como Brasil e também entrou na guerra a Inglaterra que tinha colônias na Ásia e Soldados, tanto da Índia quanto da Nova Zelândia, Lutaram na África contra África Korps (como era chamada a divisão alemã na Africa)  No extremo oriente a guerra chegou no combate ao Japão que tendo assinado com Alemanha um pacto para combater o comunismo internacional, quando a Alemanha entra na guerra contra a Rússia comunista, o Japão tem que entrar na guerra junto. Durante a guerra o Japão fez reivindicações em relação a direitos que teria no domínio do Havaí estado americano o que causou o bombardeio a Pearl Harbor e as hostilidades diretas entre Estados Unidos e Japão.
na foto da esquerda para a direita: Stalin; Hitler, Churchill e Mussolini