Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João, 869,  14882-010, Bairro Aparecida Jaboticabal SP
OEA NÃO RECONHECE LEGITIMIDADE DO GOVERNO MADURO Mentore Conti Mtb 0080415 SP // foto Crônica e Arte Jaboticabal, 11 de janeiro de 2019 A OEA, organização dos estados americanos aprovou uma declaração na qual não reconhece a legitimidade do governo de Nicolas Maduro e tomou posse para o seu no mandato também nesta quinta-feira. Aprovação da resolução contou com 19 votos a favor e seis contrários e 8 abstenções além de uma ausência. Aprovação ocorreu logo após Maduro tomar posse para o mandato presidencial que durará até 2025. Entre os países que votaram a favor estão argentina estados unidos colômbia chile equador Canadá e o Brasil. A presidente do PT Gleisi Hoffmann foi até Venezuela prestar apoio a Maduro. Madura sucessor de Hugo Chávez, de são os criadores e divulgadores de uma ideologia muito além do que se pode chamar de bizarra. A Venezuela se vangloria de ter criado o socialismo bolivariano, mas se esqueceu que Simon Bolívar era um caudilho proprietário de terras que está mais equiparado é o que era os czares da Rússia antes do comunismo. Portanto ao juntar as ideias de um caudilho líder da independência, de muitos países latino-americanos apenas para manter o poder como caudilho contra Espanha, com ideologia socialista de Karl Marx Engels Lenin outros se obtém como único resultado um nada. Simon Bolívar era favorável à propriedade particular, o socialismo é contrário à propriedade particular. Simon Bolívar não era favorável à religião e a família tradicional, já para o socialismo religião e família tradicional devem ser abolidas e extintas. Em uma simples leituras de Lênin e Trotsky TV de imediato e o regime de Nicolás Maduro não passa de uma palhaçada, na qual só podem acreditar, quem não leu o que realmente é o socialismo e a história da américa latina ou mesmo alguém que apenas quer usar a palavra socialista de marketing para seus interesses pessoais