Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João, 869,  14882-010, Bairro Aparecida Jaboticabal SP
ECONOMIA, VENEZUELA E BATTISTI SÃO TEMAS DE BOLSONARO EM DAVOS  Em entrevista, Jair Bolsonaro diz que se filho errou tem que ser punido Publicado em 23/01/2019 - 06:14 Por Agência Brasil  Brasília com complemento pela redação de Crônica e Arte foto Alan Santos PR Em seu terceiro dia em Davos, na Suíça, o presidente Jair Bolsonaro tem hoje (23) reuniões sobre diversos temas, entre eles as perspectivas econômicas, políticas e sociais sobre o Brasil, as questões bilaterais, como a extradição do italiano Cesare Battisti, e o agravamento da crise na Venezuela. O presidente terá um almoço de trabalho denominado “O Futuro do Brasil” e, em seguida, se reúne com o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte. O encontro ocorre dez dias depois de Battisti ser capturado e preso, na Bolívia, para onde fugiu do Brasil, na tentativa de escapar da extradição. Condenado na Itália à prisão perpétua pelo assassinato de quatro pessoas, a captura, prisão e extradição de Battisti se transformaram no principal tema da imprensa na Itália e no Brasil. Bolsonaro concedeu entrevista exclusiva à RAI, emissora pública de televisão italiana, em que lembrou ter sua origem na região de Lucca, e disse que pretende visitar o país. Venezuela O agravamento da situação na Venezuela e a crise humanitária ocuparão dois momentos distintos na agenda do presidente. Inicialmente, uma reunião diplomática, e depois um jantar com presidentes latino-americanos. No intervalo, é aguardada uma declaração à imprensa. A conversa sobre a Venezuela ocorre no dia em que os opositores promovem, em Caracas, a chamada jornada anti-chavismo e em meio a protestos intensos nas principais cidades do país. Civis e militares entram em confronto, segundo imagens divulgadas por organizações não governamentais. Economia Em Davos, ontem (22) o presidente discursou na abertura do Fórum Econômico Mundial e jantou com empresários. Ele ressaltou a preocupação do governo federal em promover o desenvolvimento econômico associado à preservação do meio ambiente. Também defendeu valores e reiterou a preocupação em promover mudanças, a partir das reformas que pretende implementar. "Minha equipe sabe o dever de casa que tem que ser feito e esperamos obter esse apoio do Parlamento", disse Bolsonaro. "Minha confiança nos senhores é muito grande e sei da minha responsabilidade", acrescentou em vídeo publicado em sua conta pessoal do Twitter. O presidente reafirmou os compromissos de campanha e sua preocupação com o combate à corrupção e o aperfeiçoamento da segurança pública no Brasil. Acrescentou que o país tem praias, florestas e o pantanal, que precisam ser conhecidos, e convidou os presentes para vir ao Brasil. Em uma entrevista nesta quarta-feira 23 a de Jair Bolsonaro para agência de notícias Blumberg, em Davos da Suíça, o presidente do Brasil disse que caso fique provado que o Flávio Bolsonaro, seu filho Senador eleito pelo PSL do Rio de Janeiro, tenha errado ele vai ter que pagar pelos atos dele. Flávio Bolsonaro está citado no noticiário brasileiro em um relatório do COAF (Conselho de controle de atividades financeiras) que demonstrou que um ex-assessor do Flávio Bolsonaro movimentou 1,2 milhões de reais em sua conta de maneira atípica.  “Se por acaso ele errou e se ficar provado eu lamento como pai, mas ele vai ter que pagar o preço por essas ações, que não podemos aceitar” disse o presidente Jair Bolsonaro na entrevista.  A partir da investigação do Ministério Público devido ao relatório do COAF, o órgão produzir um novo relatório e o documento aponta, movimentações bancárias suspeitas de Flávio Bolsonaro. Em um mês foram feitos quase 50 depósitos em dinheiro numa conta do senador num total de 96 mil reais. O senador nega que tenha havido irregularidades e diz que os valores se referem a uma venda de um imóvel que ele tinha.