Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João, 869,  14882-010, Bairro Aparecida Jaboticabal SP
BOLSONARO VENCE A ELEIÇÃO À PRESIDÊNCIA COM UM POUCO MAIS DE 55 % DOS VOTOS VÁLIDOS Mentore Conti Mtb 0080415 SP // foto EBC / Agencia Brasil Jaboticabal, 28 de outubro de 2018 Jair Bolsonaro é eleito presidente da república pelo PSL na eleição de segundo turno, disputada neste domingo dia 28, vencendo o candidato Fernando Haddad do PT.  A vitória foi confirmada às 19:18 quando com 94,44% dos votos apurados, o candidato que venceu as eleições, alcançou 55,54% dos votos válidos e quando o candidato Fernando Haddad, não podia mais ultrapassá-lo, porque tinha apenas 44,46% dos votos válidos. No fechamento desta matéria, com 99,83% dos votos apurados o resultado era uma vitória a favor de Bolsonaro de 55,16% contra uma votação de Haddad de 44,84%  Bolsonaro vence eleição interrompendo a trajetória do PT que governava o país desde 2002. O mandato de Jair Bolsonaro vai de 2019 a 2022. Jair Bolsonaro fez uma campanha basicamente nas redes sociais, já que com poucos partidos na sua coligação, não tinha tempo de rádio e televisão suficiente para falar muita coisa, (apenas 8 segundos). Bolsonaro também não tinha fundo partidário, assim a eleição de Bolsonaro é um marco que interrompe toda uma trajetória de campanhas que vinha desde do fim do governo político militar (1964 a 1985), baseado mais em campanhas que usavam psicologia social, para obter o poder apenas, sem querer estruturar a nação. O PT venceu as eleições presidenciais nos mandatos de 2002/2006 2010 e 2014 quando o Brasil mergulhou em um regime de esquerda onde a linha socialista predominava. Apesar de muitos falarem que era um governo de centro-esquerda, na realidade o partido dos trabalhadores PT, trabalhou nesse período todo, como fez o antigo partido comunista da União Soviética, aparelhando do Estado e fazendo com que toda a máquina estatal se tornasse uma máquina partidária. Bolsonaro por sua vez, se declara um governo de direita e de fato, as pautas que defendeu são pautas que fogem da linha da esquerda, se alinhando com a direita. Bolsonaro valoriza a família, a religião, a propriedade privada e as liberdades individuais, saindo da linha leninista e trotskista que muitas vezes foi usada pelo PT. Haddad mesmo, sempre se declarou um admirador e seguidor da linha socialista da escola de Frankfurt, escola que prega a destruição a família tradicional, da religião e da cultura tradicional, pergando a erotização da sociedade, para depois de destruir as instituições sociais,  implantar o socialismo (livros nesta editoria).  Apesar de ser chamado de fascista pelos opositores, Bolsonaro nada tem de fascista. O fascismo compreende na realidade, uma mistura de pensamento socialista, leis socialistas, com a tolerância da iniciativa privada e o apoio a grandes empresas. O fascismo cria de toda uma máquina partidária e eleitoral, usando propaganda com psicologia de massa para manter-se no poder.  Portanto ao analisarmos o trabalho de Bolsonaro vemos que em todo seu programa nada tem de fascismo. Na realidade falando friamente, quem se aproxima muito do fascismo hoje em dia, são os governos de esquerda, que exatamente mantém a ideologia socialista, leis socialistas e toleram o capital privado. Resumindo, o fascismo que é uma dissidência do socialismo, (já que Benito Mussolini, antes de criar o fascidsmo, era membro do partido socialista italiano), é mistura de socialismo com capitalismo, como vemos hoje em muitos governos de tendência esquerdista. No Brasil não se tem muito essa ideia, pois os livros que falam sobre a formação do governo de Benito Mussolini não foram traduzidos em português e porque, nossas faculdades repletas de professores de esquerda, tinham asco do fascismo e nem mesmo pesquisaram bem sobre a sua estrutura. O que ficou da ideia de fascismo, foram só as ofensas pessoais que Antônio Gramsci e os seus companheiros de partido comunista italiano faziam a Benito Mussolini na década de 20 e 30.  Jair Bolsonaro entra no governo com um enorme desafio, pacificar o país, já que uma política errada, criada pelo PT e por Dilma Rousseff, enquanto foi presidente, tinha discursos apenas para militância, esquecendo o restante da nação e chamando o restante da Nação de coxinhas. o PT e ela dividiam o pais entre nós e eles Além dessa pacificação, nós temos uma nação com um grande índice de pobreza, praticamente 50% da população ganhando até dois salários mínimos. Um desemprego herdado nestes 13 anos, que chega praticamente a 14%, além de uma desindustrialização do país inerente aplicação do socialismo nestas ultimas décadas (de Fernando Henrique até agora). Um grande começo é voltar a uma linha de querer construir a nação e parar com o ciclo de corrupção como vimos emergir do trabalho da lava-jato e dos processos contra a corrupção na administração nestes últimos 13 anos. Periodicamente publicaremos neste site o que é o socialismo, o fascismo e as demais ideologias, sempre com base em autores como Iring Fetscher por exemplo. Usaremos nestas analises autores como Lenin, Trotsky,  Gramsci, Marx, Engels, dentre outros. Afinal não é possível entender uma ideologia sem estuar quem a criou.