Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Caixa Postal 43,  14870-970 Jaboticabal SP
DRÁCULA E OS MULÇUMANOS Por Mentore Conti (professor de História) Quando ocorrem estes atentados como o que ocorreu na França ontem dia 13, muitas vezes temos a ideia de que é um fato novo do tão noticiado Estado Islâmico. Mas não é bem assim, desde a formação do islamismo, por volta do ano 600 d.C., a Europa vem tendo problemas, com a população que é governada por governos teocráticos ou apenas orientação islâmica. De fato, em 711 Tariq ben Ziyad com um exército de 7000 soldados invadiu a península ibérica pela montanha hoje conhecida como Gibraltar, exatamente por ter sido o ponto de início de sua invasão (daí o nome monte de Tariq, Gabal Tariq – Gibraltar). Os Mouros só foram expulsos, da península Ibérica a partir de 1200 com as mini cruzadas de Henrique de Borgonha e Raimundo de Borgonha que libertaram o atual território de Portugal e da mini cruzada de El Cid o campeador (Rodrigo Diaz de Bivar). Além de invadirem a Europa na península ibérica os turcos-otomanos, começaram a invadir o continente pelo lado da Hungria e Romênia.  Foi então que o, Papa Pio II cria uma cruzada em 1460 para combater os mulçumanos. Quem responde rapidamente ao apelo papal é Vlad. III de Valacchia (território da Romênia). Vlad quando criança com o irmão fora sequestrado pelos islâmicos e conviveu vários anos sob as ordens de Mohamed II. Fugindo, Vlad III, filho de Vlad Dracul, assume o trono de Valachhia (junto ou próximo a Transilvânia) e agora sob a orientação europeia passa a combater os mulçumanos. Durante a Luta, Vlad é implacável, e combate ferozmente, a ponto de usar do empalamento (quando se espeta a pessoa colocando-a sentada numa lança para que esta perfure o corpo até sair pelo pescoço) para os soldados mulçumanos capturados vivos. Com o tempo a estratégia dá certo e os mulçumanos, enquanto Drácula vive, recuam e desistem de atacar as Europa e Roma (um dos generais mulçumanos dizia que se chegasse a Roma, ele amarraria o cavalo no altar mor da Igreja de S Pedro. Vlad morre em dezembro de 1476 num confronto pero do mosteiro de Sinagov (cidade romena localizada no distrito de Ilfov, na região de Muntênia). De suas estórias sangrentas este herói nacional Romeno, serve de base para o escritor irlandês Bram Stoker escrever o seu romance Drácula.
Vlad III de Valachia