Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João, 869,  14882-010 Jaboticabal SP
MILTINHO RODRIGUES E O SERTANEJO ROMANTICO Mentore Conti Mtb 0080415 SP // fotos internet Jaboticabal, 10 de junho de 2018 Miltinho Rodrigues nasceu em Goiânia Goiás, em 2 de Maio de 1941. Em 1958 conhece Tibagi compositor e cantor paulistano e, com ele cria uma parceria, começando a criar um estilo que poderíamos chamar de romântico sertanejo. Neste ano de 1958, assina um contrato para trabalhar na Rádio Nacional do Rio de Janeiro. Na Rádio Nacional Miltinho Rodrigues apresentava um repertório que músicas românticas que incluíam inclusive músicas em castelhano. Mas nem tudo foi fácil, quando chegou na capital de São Paulo, vindo de Goiânia, Miltinho Rodrigues, Hilton Rodrigues dos Santos, tinha 14 anos. Corria o ano de 1955 e Miltinho Rodrigues foi a São Paulo, com o sonho de lá morar e cantar. Na capital paulistana Miltinho Rodrigues, foi mecânico, ajudante de obras e chegou até a dormir na rua. Formou várias duplas e cantava nas horas vagas.  Depois da dupla com Tibagi, Miltinho Rodrigues, passa a cantar sozinho lançando vários discos Em 1967, fez sucesso com as músicas de sua autoria "Prisioneiro do amor" e "Você não apareceu", e "Ébrio do amor", de Palmeira e Romancito Gomes. Já em 1968, gravou, entre outras, o grande sucesso de Jair Amorim e Evaldo Gouveia, "Quem será". No início dos anos 1970, fez sucesso com as composições "Destino fere e às vezes mata", em parceria com Benedito Seviero e "Por que será", em parceria com Milton Yamada. De 1976 a 1978 ele deixa a vida artística e trabalha como publicitário em Goiânia até que, em 1979 é convidado e participa de shows com o Trio Parada Dura em circos teatros e feiras.  Em 1989 a dupla Chitãozinho e Xororó grava a composição “faz um ano” no disco “nossas canções preferidas” e em 1994 pela gravadora disco de ouro ele lançou o LP coração no Brasil e ficou conhecido como o trovador do Brasil. Miltinho Rodrigues forma dupla com Thivagy (Zé Matão), que gravou em 1995 o LP "Traço de Giz" pela gravadora Sol Maior. Assim, como quando falamos Waldick Soriano que com seu estilo de bolero era um inspirador e precursor para o sertanejo universitário de hoje e o estilo de sofrência, Miltinho Rodrigues também é um autor que cria esta transição, como podemos ver nas músicas que ele compôs durante a carreira, dando início ao que podemos chamar sertanejo romântico.  As músicas de Miltinho Rodrigues no sertanejo, se afastam daquela tradição Paulista da música de raiz, que em 1929 foi recolhida por Cornélio Pires e o seu grupo, na região de Sorocaba, se afastando também da linha de Mandy e Sorocabinha e Raul Torres, por exemplo, cantores dos quais falaremos em outra oportunidade.  O estilo sertanejo de Miltinho Rodrigues se aproxima mais da canção Popular Paranaense, por exemplo. Miltinho trabalhou e usou em suas composições ritmos flamencos (música cigana e mourisca) e músicas mexicanas, sendo um dos pioneiros neste tipo de composição no Brasil. Neste trabalho Miltinho junto e Tibagi integraram o movimento para renovar a música sertaneja no país, com a introdução de guitarras e orquestras nos arranjos das músicas que compunham e a fusão dos estilos sertanejos do Brasil e do México. Segundo Hevelyn Villani Rodrigues, filha de Miltinho Rodrigues, em entrevista ao Crônica e Arte, Miltinho, abriu caminho, no estilo musical, para estas duplas de hoje a exemplo Chitãozinho e Xororó. Outras duplas influenciadas pelo estilo de Miltinho são Belmonte e Amarai, além de Léo Canhoto e Robertinho. Como vemos no vídeo abaixo o José Rico da Dupla Milionário e José Rico entrevistado por Jô Soares, diz que aprendeu a cantar com Miltinho Rodrigues. Um exemplo de tradução e adaptação por Miltinho Rodrigues e Tibagi de música estrangeira, no estilo que ele ajudou a formar, o sertanejo romântico, nós vemos tradução e versão da música italiana “vola Colomba” dos compositores Bixio Cherubini e da Carlo Concina.  Esta música que venceu o festival de San Remo em 1952 com interpretação de Nilla Pizzi, foi composta para narrar o drama da cidade de Trieste no pós-guerra.  Terminada a II guerra em 1945, Trieste por um acordo com os norte-americanos ficou sob administração dá então Iugoslávia que pretendia ficar com aquele território italiano em definitivo. Durante a sua administração os iugoslavos cometeram várias atrocidades e a população de Trieste queria a volta do território para Itália, como de fato ocorreu com o tempo, sendo esta música umas das canções que pregava isso, por metáforas.  Miltinho Rodrigues e Tibagi tiraram o lado político da canção criando uma tradução romântica nenhum estilo sertanejo romântico que fez enorme sucesso no Brasil. Segundo Hevelyn Rodrigues, Miltinho foi diagnosticado com Alzheimer no final de 2016 e apesar de bem e estável, está muito confuso. Hevelyn Rodrigues é bailarina e coreografa e prepara um show, um espetáculo para comemorar os 60 anos de carreira de Miltinho Rodrigues. Miltinho Rodrigues sempre disse que quer ser lembrado pela sua música e as suas composições, frisou Hevelyn Rodrigues. Os fãs de Miltinho Rodrigues podem entrar em contato com ele, pela página oficial dele no facebook, disse Hevelyn. a pagina de Miltinho Rodrigues no Facebook é: https://www.facebook.com/OTrovadorDoBrasil/
no vídeo acima à direita o original em italiano, como explicado no texto
clique na foto abaixo e veja discografia parcial de Miltinho Rodrigues