Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João, 869,  14882-010 Jaboticabal SP
O MOVIMENTO DE 1964 FOI FEITO PARA DEFENDER O BRASIL DO COMUNISMO SOVIÉTICO Por Mentore Conti Mtb 0080415 SP // fotos: domínio público Jaboticabal, 28 de março de 2019 O movimento político militar de 1964, completa 55 anos no próximo dia 31 domingo e como existem ainda pessoas vivas, que participaram do movimento, ou mesmo, que atuaram contra o movimento, existem muitos comentários, muitas vezes equivocados e fora realidade da época, fora do que realmente ocorreu. Gostem ou não o movimento de 1964 não foi um golpe puramente militar. A sociedade política e a sociedade civil da época, indignada com a aproximação que João Goulart e seu cunhado, Leonel Brizola, tinham com a extinta União das repúblicas socialistas soviéticas (URSS), reagiram para tirá-lo do poder. Nikita khrushchov que então governava a URSS, traçou uma estratégia, para tentar dominar a América Latina e ampliar assim o poder soviético, já que a URSS já tinha em sua mão a ilha de Cuba, depois que Fidel Castro se aliou aos comunistas quando derrubou do poder, Fulgêncio Batista. Para tanto, ou seja, para esta expansão do poder soviético aqui na região, desde 1962 um grupo de brasileiros passou a ser treinado em Cuba, para uma eventual Guerrilha. As ligas camponesas, que tinham tido início em 1948, agora na década de 60, eram dirigidas por Francisco Julião Arruda de Paula, Deputado pelo PSB. Os representantes destas ligas em agosto de 1955, tinham participado do Congresso pela Salvação do Nordeste, organizado pela Prefeitura de Recife, que teve Julião, como presidente de honra, num contexto em que já defendia, a necessidade de uma mudança radical no sistema de propriedade da terra e de produção agrícola no Nordeste. Para se entender, como o comunismo avançava no Brasil, mesmo antes de João Goulart, no início de 1961, Julião encontrou no Rio de Janeiro o líder comunista Luís Carlos Prestes para discutir a possibilidade de união do Partido Comunista Brasileiro (PCB) com as ligas camponesas. Prestes propôs a fusão das ligas com a União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil (Ultab), fundada pelo PCB em 1954. Através dos delegados da Ultab o PCB defendia um programa baseado na melhoria das condições de vida dos trabalhadores agrícolas, enquanto as ligas, representadas por cerca de 600 delegados e tendo Julião como seu principal porta-voz, advogavam uma reforma agrária radical. Para contextualizar o que ocorria nos anos 60, reporto aqui, o que Francisco Julião em 1979. Ele declarou ter sido sempre contrário às propostas que conduziam o movimento camponês à revolução armada e se opôs sistematicamente às ocupações de terras, realizadas em Pernambuco em 1962 e 1963. Na década de 60 do século XX, a situação piorava mês a mês e no final de 1963 o problema tinha atingindo as forças armadas, já que João Goulart apoiou os marinheiros que queriam fazer um sindicato, o que quebrava a hierarquia inerente nas Forças Armadas. Para complicar a questão devemos lembrar que na época, uma parte do exército era de linha marxista, aquela mesma linha que nos anos 20 fundara o PCB. Tanto que no dia 31 de março existiam marinheiros armados na praia vermelha no Rio, para reagir ao movimento de 1964 e defender João Goulart. Eles só entregaram as armas quando o comandante Aragão entra no sindicato onde estavam e ordena que por ordem de Joao Goulart, não se devia reagir ao movimento militar, já em curso A aproximação João Goulart da União Soviética era temida por grande parte da sociedade, o regime soviético desde os anos 20, vinha massacrando sua população no combate a uma guerra civil na Rússia e teve como o auge deste massacre, o Governo de Stalin. (Continua...)    para ler a segunda parte desta matéria CLIQUE AQUI
vitima do atentado do PCB e guerrilheiros em Gurarapes (25 de julho de 1966 )
O autor é professor de História e Geografia e Bel. em Ciencias Juridicas e Sociais, além de Jornalista. Bibliografia  na editoria do Site