Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João 869,  148882-010 Jaboticabal SP
O ANJO uma cronica de Mentore Conti --- Vocês esqueceram o Felipe aqui.... gritou com seu rosto pesado de um bronze escurecido pelo tempo e a chuva, mas ninguém o ouviu ou ouviria. Há dez anos estava ali, colocado depois de um fino trabalho do artesão, que fez-lhe com todos os detalhes, dando forma ao material. Ficaria ainda por muito tempo em silencio sobre o tumulo de ***, com uma lagrima a escorrer-lhe do olho direito e curvado diante do epitáfio também de cores escuras. Felipe ficou ali no túmulo em frente, acocorado e só, abandonara-se depois de acompanhar o magro enterro de sua mãe. Eu o vi descendo o morro ***, as pernas trêmulas, já meio sozinho, misturado ao pequeno grupo de vizinhos que acompanhava o caixão. O veiculo onde estava seguia o carro funerário, marcando o ultimo trajeto de Joana, passista da Escola de Samba. Naquela meia hora depois de ter a noticia da morte da moça e de voar pela cidade para acompanhá-la ao cemitério, vi o cortejo seguir em meio ao indiferente conversar das gentes e aos olhares já acostumados com a cena que passava. Meu Deus que estranho, há duas semanas quando voei pela cidade, via a Escola de Joana na Marquês de Sapucaí, ela ia linda, alegre, com sua dança e seu olhar. A cidade em aplausos, risos e discursos fáceis da alegria de ajudar a gente do morro a realizar o carnaval. Joana, sentiu-se uma princesa, afinal a reconheciam, ela, uma simples costureira, um filho pra criar, agora era o centro das atenções e, além do mais, ajudara na confecção das fantasias que estavam tão bonitas... Todas aquelas Joanas, por um dia eram princesas. De casas simples e com roupas de parco preço saiam os Joões, a criar o espetáculo para o brilho de uma só noite, de uma só hora... Ontem fiquei sabendo do ocorrido, a polícia subiu o morro, tinha acabado o carnaval, e no tiroteio Joana saiu para ver se Felipe estava na rua e foi alvejada, ficou ali caída até que alguém colocou-a sobre um carrinho de mão e desceu até o Hospital, estava vazio de médicos e recursos e no corredor da enfermaria ela morreu. Sei que sou de bronze e fui feito para ficar aqui neste túmulo, mas esta pobre gente... só é lembrada no carnaval... Tenho voado pela cidade --- não digam a ninguém--- e não tenho visto quem melhore um hospital sequer para Joanas e Joões. ---Felipe, Felipe!!! Eu o chamo há horas, mas não me ouve... ele não tem mais ninguém, ninguém o notou ali ---Felipe!!! Se lembrar de sobreviver até ano que vem ele terá um dia de príncipe também... ---Felipe!!! --- desculpem-me por esta lágrima, mas ela foi feita comigo pelo artesão. O menino olhou tentando individuar quem o chamava, mas não vendo ninguém, acocorou-se novamente e novamente, a recordar-se de Joana, restou em silencio...