Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João 869,  14882-010 Jaboticabal SP
ALGUMAS QUESTÕES SOBRE O DISCURSO DE BOLSONARO NA ONU Um artigo de Mentore Conti Mtb 0080415 SP // foto Crônica e Arte Jaboticabal, 25 de setembro de 2019 O presidente Jair Bolsonaro discursou nesta terça-feira dia 24, na ONU (Organização das Nações Unidas) falando sobre vários temas referentes ao Brasil. Por mais que muitos jornais tenham falado, que houve por parte de Jair Bolsonaro um discurso agressivo e que houve inconsistências em seu discurso, isto não é verdade. Para quem ouviu o discurso na íntegra verá que Jair Bolsonaro pontuou bem, questões referentes aos problemas brasileiros e como o governo quer trabalhar com estes problemas. Um dos pontos importantes foi a questão do índio no Brasil. Tudo que o Bolsonaro falou na ONU, em relação ao índio é realmente é verdade.  Durante muitos anos o cacique Raoni era apresentado e tido como voz representante de todos os índios brasileiros, mas jornalistas e autoridades esqueciam um detalhe fundamental. Por pertencer a uma tribo o cacique Raoni, só podia falar em nome da sua tribo. A tribo sociologicamente falando, é um grupo social formado por uma ou mais fratrias e que tem, esta tribo formada, costumes próprios e leis próprias, sendo completamente dissociada de qualquer outra tribo. Só a unificação de várias tribos gera uma cidade estado, Mas esse não é o caso dos indígenas brasileiros, onde cada tribo tem costumes e leis próprias e são independentes umas das outras. Bolsonaro abordou no discurso é o trabalho errado sobre a questão indígena, para a exploração das Tribos em benefício de países estrangeiros, para extração e contrabando de minério. Exploração esta, muitas vezes com ajuda de associações defensoras dos Índios.  Isso não é uma teoria da conspiração, Isso é uma realidade que sempre existiu, tanto que como dizem alguns Generais do exército brasileiro, as demarcações de terras defendidas por ONGs que defendem índios, foram feitas exatamente onde existem minério. O índio de fato tem sido tratado como um bicho de zoológico por estas ONGs e isto tem que terminar. Uma outra questão colocada por Jair Bolsonaro é a questão da soberania, onde ele defendeu a soberania do Brasil na região Amazônica que está dentro do território brasileiro, portanto não há o que se falar em discurso errado ou que ele não sabia o que dizia. Uma outra questão ainda, levantada por Jair Bolsonaro foi a questão da ideologia implantada no Brasil nos últimos 30 anos. Neste ponto o brasileiro não pode ser ingênuo, a socialdemocracia que antecedeu a administração do PT, também tem fundamentos no socialismo.  Tanto que Wladimir Lenin para quem lê sua obra, era social democrata, antes de ingressar no partido comunista da Rússia. No Brasil a ideologia de esquerda seguiu a linha Gramisciniana, e a escola de Frankfurt que tem como projeto, a ideia de destruir a família tradicional, a religião e a cultura greco-romana, para, em cima dessa sociedade desconstruída, construir o socialismo.  Isso também não é Teoria da Conspiração qualquer pessoa pode ler os livros de Herbert Marcuse, Adorno, William Reich, Sulamith Firestone, dentre outros e verá o trabalho que eles orientam nessa linha, trabalho esse que foi seguido desde a época de Fernando Henrique Cardoso no Brasil.   O grande problema é que uma vez destruída a sociedade capitalista com os métodos da escola de Frankfurt, (destruindo todas as instituições sociais) fica impossível reconstruir qualquer sociedade em cima da antiga sociedade, mesmo que seja uma nova sociedade de linha socialista. Infelizmente parte da Imprensa, por ignorância e tendo em seu meio, integrantes do Marxismo cultural, fazem toda uma campanha contra o atual governo. A imprensa faria a mesma campanha contra qualquer governo que quisesse reconstruir o país e interromper o trabalho de destruição, feito na linha da escola de Frankfurt. Em relação a destruição do país promovida até 2018, lembremos o que fala o próprio povo: contra fatos não há argumentos. Depois de 30 anos com uma socialdemocracia e um “socialismo moreno”, na definição de Leonel Brizola, o que vemos é a destruição deixada por esta política durante este período.  O Brasil depois desse período todo não tem dinheiro nem mesmo para pagar seus funcionários públicos, tem uma escola ineficiente, uma universidade em pedaços, profissionais em número insuficiente para suprir o mercado de trabalho e isso tudo resultado deste período de governo que acabou de passar.  Querer negar o desvio de milhões de uma Petrobras a destruição promovida por políticos neste período do país, é o querer fechar os olhos e não ver a realidade... Muitas pessoas numa tentativa desesperada de defesa desse período, tentam se agarrar a tecnicidade penal, mas um fato é claro e notório, empresários e mais empresários confessaram pagar propinas, devolveram dinheiro, portanto, as condenações proferidas, não são apenas uma questão de perseguição por uma sentença da Lava-jato.  Criminalizar promotores e juízes de modo indiscriminado e defender Condenados que destruíram da Previdência Social a qualquer outra infraestrutura do país, não é possível. Existem juízes que erram? Sim, mas não da maneira como acusam a Lava-jato. É inconcebível que se tolere a presença de organização criminosa como a Farc junto com o Foro São Paulo, como se fosse uma organização civil legalizada É necessário que o brasileiro ponha a mão na consciência, Independente do governo Bolsonaro e comece a valorizar os bons costumes, a família e a religião e comece a pensar que vive em um país que tem que ser civilizado, sob pena de continuarmos na Barbárie em que estamos.
Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte