Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João 869,  14882-010 Jaboticabal SP
O COMBATE A COVID 19 E NOSSOS POLÍTICOS Um artigo de Mentore Conti Mtb 0080415 SP // foto EBC Jaboticabal, 13 de maio de 2020 Eu gostaria de saber se muitas autoridades brasileiras e mesmo a imprensa, estão brincando com a questão da epidemia que assola o país e que está matando muitas pessoas. Enquanto escrevo esse texto no Brasil a epidemia da covid 19  já contaminou 177.589 e matou 12.400 pessoas. No meio deste cenário eu vejo, já há um mês, as autoridades brincando de criar crises políticas e dessa crítica não vou poupar nem mesmo Presidente da República, que em vez de criar um discurso firme e cumprir suas prerrogativas constitucionais, de modo sério, sem sorriso, sem piadas, fica dando entrevistas, brigando com a imprensa, mas não tem um pulso firme para lidar com a situação.  Os governadores por sua vez, se achando governadores estadunidenses, apoiados por decisões do STF, brincam de confederação, querendo eles tomar as rédeas de cada estado, sem lembrar e a Constituição Federal, não o STF, mas a Constituição Federal, impõe uma hierarquia de ações, principalmente no que se refere a locomoção de pessoas.  O famoso Lockdown, que obriga as pessoas a ficar em casa, até mesmo com força policial, só pode ser decretado pelo Governo Federal, pois sendo uma medida que interfere no direito de ir e vir, só pode ser restringido pela federação em casos de toque de recolher ou estado de sítio.  A subversão dessa ordem em qualquer país sério, faria com que o governo federal interviesse na unidade federada, ou seja, no Estado, com a retirada do governador e a nomeação de interventor Federal (como fez Getúlio Vargas na sua época). Isto é perfeitamente possível dentro do Estado democrático de direito, exatamente para preservar a democracia.  Não se pode falar em democracia quando governadores junto com o Supremo Tribunal Federal desrespeitam à Constituição Federal em vários pontos. A democracia pressupõe respeito às normas constitucionais e as leis federais.  Governadores se democráticos fossem, deveriam se ater ao papel de Governador. Ao contrário disto, vemos que essas questões jurídicas, não são obedecidas porque está em jogo a posição política de cada um deles, para as próximas eleições ou as eleições de 2022. A incoerência é tanta que o governador de São Paulo e o prefeito da capital, pregam, gritam pelo isolamento social e pela quarentena, para se evitar o contágio e a proximidade entre as pessoas, mas ao mesmo tempo decretam, na capital o rodízio que obriga os trabalhadores, que por causa da necessidade precisam trabalhar, mesmo os de áreas essenciais, fiquem aglomerados em ônibus, metrôs e trens urbanos, colocando em risco essas pessoas ao contágio do vírus. Será que não perceberam que com isto vai aumentar o numero de doentes? Eu não quero nem imaginar, mas será que a ideia é provocar o contágio? Eu espero que não, eu quero acreditar que não!  No meio da epidemia, o ex-ministro da Justiça gritando “aí minha biografia”, causa uma crise política sem precedentes e o que fazem os políticos?  Começam a gritar em volta: eu quero o exame do presidente!! eu quero saber da nomeação que presidente fez! Agem assim como se não houvesse uma epidemia, como se não houvesse um desemprego desenfreado por causa da epidemia, como se não houvessem mortos e doentes por causa da epidemia. Se fossem sérios e bons administradores, deixariam esta questão para depois da epidemia. Ao contrário disto, gritam traçam estratégias para ver e estudar o vídeo de uma reunião do presidente, gritam e pedem os exames de saúde do presidente, falam do impeachment. Será que não perceberam que existe uma epidemia para  combater? Será que a irresponsabilidade chega a tal ponto que estes políticos deixam o doente na mão do médico e em vez de tentar administrar a situação, ficam brincando de inquérito, brincando de exigir exames médicos do presidente? Mais uma vez vou afirmar aqui: Se fossem bons administradores, saberiam que agora não é hora disto, se realmente estivessem interessados em vidas deixariam as questões políticas para um momento mais adequado.  Até quando eu vou ver governadores de estado esquecendo que o papel deles, numa crise dessa, é governar para salvar gente e não para fazer discursos em entrevista coletiva?  Ao mesmo tempo que isso acontece o ministério público em vários locais do país, inclusive em São Paulo, abriu investigação porque há indícios de que muitos equipamentos médicos foram comprados com superfaturamento, já que o estado de emergência em que estamos, dispensa a licitação.  Esta briga politica toda seria para distrair a população em relação a estas investigações e as compras indevidas? Será que a ideia é fazer esta pantomima, para encobrir as investigações das quais são alvos?  Eu espero sinceramente que não, mas as autoridades no Brasil com raríssimas exceções, deram uma demonstração, durante essa pandemia de que não merecem mas o voto de ninguém. Com raríssimas exceções governadores ou presidente não merecem mais o voto de ninguém. Porque falar impeachment agora? Para que esta briga toda agora? Agora é necessário socorrer uma população que passa fome e está doente. Pelo modo que agiram até agora, na próxima eleição estas pessoas tem que ser varridas do mapa político brasileiro para sempre, por que não souberam administrar um país em meio a uma crise sanitária.
Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte