Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João 869,  14882-010 Jaboticabal SP
A VIOLÊNCIA QUE VIVEMOS MESMO NESTE PERÍODO NATALINO Mentore Conti Mtb 0080415 SP // foto EBC –STJ JUSBRASIL Jaboticabal, 24 de dezembro de 2019   Nestas semanas que antecedem o Natal e mesmo nesta véspera e ante véspera de Natal, não deixamos de ter ocorrências policiais graves em nossa região. Do início do mês até agora nenhuma cidade de médio ou grande porte, deixou de ter cenas de violência. Crimes de homicídio, tentativa de homicídio e estupros, como os crimes cometidos que ocorreram estes dias em Matão. Crimes de agressão tentativa de homicídio e homicídio, ocorreram ainda em Ribeirão Preto, Franca, Jaboticabal, Araraquara, Sertãozinho, ou seja, em toda a região, que ficou e está coberta com um rio de sangue. Por mais que se fale que houve, na média, uma redução dos crimes, na região a situação é ainda alarmante. Na atual situação, não basta tentar solucionar o problema com maior policiamento apenas. Claro que o aumento de policiamento diminui em certa medida, as ocorrências de agressão, roubos e Furtos e até de homicídio.  Mas o aumento do policiamento não é solução para tudo, se nós tivermos uma sociedade “doente” por assim dizer, onde parte das pessoas tem em comportamento doentio. As pessoas em média, tem um comportamento individualista ao extremo e violento ao extremo. A polícia não pode estar presente em todos os quarteirões, sob pena de voltarmos a o período feudal na Europa, onde os centros feudais eram relativamente pequenos e o policiamento nos feudos era intenso. Para se justificar o aumento exagerado de policiamento, teremos que admitir que voltamos a Barbárie que existia com a queda do império romano, quando hordas de Bárbaros invadiram as cidades e saqueavam tudo com extrema violência e massacres. Guardadas as devidas proporções alguns fenômenos e maus costumes retornaram. Do mesmo modo como os bárbaros invadiram o Império Romano e não respeitavam casas, famílias, mulheres e a religião instituída na época, hoje quadrilhas e mais quadrilhas apareceram, desrespeitando, famílias, mulheres e sem respeito a preceito religioso algum.  Estamos em plena época de Natal, lembrando que o Natal é precedido por de 4 Semanas em dezembro, chamada Advento e que este período natalino vai até o dia 8 de janeiro.  E o que vemos? Parte de uma população desenfreada, sem costumes, (que lança filmes com heresia sobre Cristo), sem parâmetros, violenta, criminosa e que age atacando, matando, agredindo, mesmo no período natalino.  Assim como Odoacro, Atila, Alarico, Bárbaros violentíssimos, depois da queda do império romano, hoje quadrilhas e mais quadrilhas repetem em certa medida, sem perceber a mesma violência daquela época. Drogados, pessoas bêbadas que não respeitam suas próprias mulheres, noivas, namoradas, sem respeitar ninguém. Temos uma sociedade que não se espantada mais com a violência ou com a desgraça humana. O que teria causado isto? Entre vários motivos vamos aqui enumerar dois, que junto com os demais problemas, têm levado a esta situação.  No Brasil desde o final do governo civil-militar (1964 1985) Começou a ser implantado, inclusive com Fernando Henrique Cardoso, toda uma linha gamisciana de educação e política.  E o que pregava Gramsci.  Antônio Gramsci pregava exatamente que seus partidários, deveriam destruir a família, a religião e a cultura greco-romana, através da educação e não da revolução, para depois disto implantarem o socialismo. Mesmo diante dos protestos de Sigmund Freud, na época de Gramsci, que dizia que se isso fosse implantado, a sociedade se desorganizaria por inteiro, sem poder ser reorganizar sobre a sociedade assim destruida, filósofos como Adorno, Herbert Marcuse, Wilhelm Reich seguindo a doutrina de Gramsci, criaram métodos para se destruir a sociedade (esta é a denominada Escola de Frankfurt).  Este método como vemos no livro “Eros e Civilização” de Herbert Marcuse consiste basicamente em erotizar a sociedade ao extremo, para derreter todas as instituições sociais.  Ao ler a obra de Reich, vemos todo um sistema de destruir a religião para abrir caminho ao socialismo.  Claro que como em todo país Latino, o Brasil tem seus socialistas, com um pé no Marxismo e no Gramscismo e um pé em alguma religião), Mas mesmo com esse dualismo de muitos socialistas, a doutrina de Gramsci traz consigo, todo um sistema nefasto que destrói a sociedade e que nem todos os socialistas brasileiros perceberam a extensão do estrago que ela causa. Depois então de 30 anos de erotização exagerada em sociedade, vemos uma família destruída e pessoas que mal sabem como conviver, voltando ao instinto violento pré-civilizatório. Além da erotização houve toda uma pregação contra as religiões e a favor do laicismo e ateísmo. Em teologia quando se retira a ideia de Deus de uma sociedade (pregando o laicismo ou o ateísmo) a mente de quem adere a esta doutrina, não fica espiritualmente vazia, mas é preenchida pelo que a religião cristã coloca como anjos decaídos e Demônios, ou como os espiritualistas definem como encostos ou espíritos perturbados, ou espíritos maus. Os atos de governo praticados por governantes que se afastam de Deus, seguem em suas ações particulares ou públicas, então, a inclinação do ser humano e não sua vocação. Em Teologia vemos bem claro que o ser humano é inclinado ao mal e vocacionado ao bem. Com o laicismo ele acaba cortando esse chamado para o bem, para Deus e se deixa levar para o mal.  Na sociedade de hoje e no Brasil de hoje, o resultado deste afastamento de Deus, pela pregação de Laicismo ou ateísmo, é uma sociedade, onde parte da população é extremamente individualista e que deixa a sua inclinação primeira, para o mal, tomar conta por não ouvir o chamado de Deus.  Há muitos anos conversando com advogado e pastor diante de um crime cometido aqui na cidade ele me disse que, ele não podia falar, pois a questão do crime era uma questão técnica e social e não uma questão religiosa, mas que parecia, em muitos crimes contra a vida e crimes de agressão existir a presença do demônio em volta do criminoso.  Claro que esta não é a única explicação, claro que temos que pensar sociologicamente na formação de uma nação ou de uma cidade.  É óbvio que temos que reestruturar todo o Estado que foi quebrado em pedaços nos últimos 30 anos, mas é muito estranho que grupos de pessoas vivam como bárbaros e incivilizados esfaqueando-se mutuamente, como se a violência fosse um comportamento normal, como se fossemos um bando de animais irracionais e não seres humanos.  Talvez esse período de Natal pudesse servir para repensar onde nos perdemos e como chegamos até aqui. Talvez quem termina de ler este artigo possa começar a pensar um pouco... Talvez... não só na questão religiosa, ou na erotização imposta nestes últimos 30 anos, mas na reorganização do Estado, da sociedade e sua estrutura, dentro de uma correta linha sociológica e politica. Talvez...
Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte