Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com Rua São João 869,  14882-010 Jaboticabal SP
O FEROZ ATAQUE À FRASE DA MINISTRA DAMARES ALVES POR CAUSA DO AZUL OU ROSA Um artigo de Mentore Conti Mtb 0080415 SP // foto divulgação internet Jaboticabal, 5 de janeiro de 2019 Prezados leitores, acordamos nesta semana com a polêmica feita por pessoas que se dizem politicamente corretas e por pessoas de esquerda, atacando ferozmente a frase da ministra Damares Alves, Ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos no governo de Jair Bolsonaro (PSL) quando ela disse “menino veste azul e menina veste rosa”. Apesar da crítica feita por jornalistas e atores contra a ministra por causa desta fala, onde comentaristas, jornalistas e atores, vestindo rosa e jornalistas, comentaristas e atrizes vestindo azul, faziam comentários cheios de sabedoria contra a ministra e defendendo a ideologia de gênero, um detalhe passou despercebido para todos esses que protestam agora contra a ministra. Desde 2002 e a partir de 2011, ou seja, durante o  governo Lula e o governo Dilma Rousseff (todos de esquerda), duas campanhas tiveram início e foram feitas para o combate ao câncer, de próstata e de mama. Se os leitores puxarem pela memória, vão se lembrar que a campanha dirigida às mulheres para conscientização da prevenção do câncer de mama levou o nome nos governos de esquerda de “outubro rosa”. (Campanha realizada em outubro) Já a campanha para prevenção do combate ao câncer de próstata dirigida homens, foi chamado de novembro azul. (Campanha realizada em novembro). Oras não ouvi nenhum artista nenhum jornalista da cidade de Jaboticabal, da região ou do Brasil que reclamasse que uma propaganda dirigida a homens usasse a referência azul e uma propaganda dirigida a mulheres usassem referência rosa. É estranho como as campanhas feitas por governos de esquerda, usando a referência rosa para mulheres e a referência azul para homens era um ato perfeitamente normal. Agora quando uma ministra do governo que tirou a esquerda do poder, usa a mesma referência de cores para falar que meninos usam azul e meninas usam rosa, porque a esquerda que foi tirada do poder reclama? Se estava certo o uso da cor azul para homens e o uso da cor rosa para mulheres, nas campanhas durante os governos de esquerda, onde está o erro tão proclamado e criticado por artistas e jornalistas que agora fazem este estardalhaço por causa da frase da ministra Damares Alves? Feita esta ponderação devemos aqui lembrar que a teoria de gênero, defendida por estes intelectuais e jornalistas, segue a linha da escola de Frankfurt (de esquerda) para erotização da sociedade, bastando para isso ler Herbert Marcuse, Wilhelm Reich e Shulamith Firestone. Esta última, feminista de esquerda pregava, dentro da teoria de gênero, a necessidade de incentivar a pedofilia para destruir a sociedade na linha de Marcuse, como podemos constatar no livro da autora denominado “Dialética do Sexo”? (livro em PDF na editoria deste site) Alguém avisou isto para os defensores da teoria de gênero? Algum desses defensores da teoria de gênero, leram os fundamentos do porquê erotizar a sociedade? ou será que eles apenas acham bonito usar o nome “teoria de gênero” por que está na moda. Vamos deixar bem claro aqui que o site Crônica e Arte é contrário a qualquer preconceito contra pessoas homossexuais, e contra qualquer exclusão de minorias do convívio social. O site Crônica e Arte frisa aqui que também é contra o uso destas minorias por grupos de esquerda, para criar intrigas em sociedade, como tem sido feito nos últimos tempos. Infelizmente o que se vê quando se presta atenção no discurso em prol de uma minoria é que, quem faz o discurso defendendo uma minoria, quer usar os indivíduos que diz defender, para alcançar dividendos políticos, ou qualquer outra vantagem sobre as pessoas que fazem parte destas minorias. E neste ponto eu fico me perguntando se os jornalistas de uma emissora de televisão, homens, que apareceram vestindo rosa e as jornalistas mulheres, que apareceram vestido azul, queriam realmente defender a minoria que dizem querer defender, ou queriam chamar atenção para vender espaço publicitário no meio do jornal? Volto a perguntar: por que estes mesmos artistas e jornalistas não atacaram as campanhas outubro rosa que se referiam a mulher e o novembro azul que se referia aos homens? Se eram tão conscientes assim, como estão falando agora, porque não defenderam que as campanhas pela conscientização da prevenção do câncer de próstata e do câncer de mama tivessem outros nomes. Em todo caso vamos aguardar para ver qual é a próxima atitude dos pretensos defensores das minorias e como eles se contradizem quando querem atacar essa ou aquela pessoa que é contra a ideologia política que eles têm.
primeira foto Damaris Alves  segunda foto Shulamith Firestone
Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte